31 de maio de 2022

ASSIM QUIS O DESTINO

Integrado no projeto DAC que o 10º D/E desenvolveu este ano, um outro poema do Martim, desta vez de temática inesiana.

 

Giovanni Prini, Os Amantes, 1913

Reinava Afonso IV
No reino de Portugal
Nunca ninguém pensou
Que a história acabasse mal

D. Pedro, jovem príncipe
Gago e inteligente,
Apaixonou-se por Inês
Uma jovem sorridente

Um amor inesperado
Que tanta lágrima derramou
Assim estava destinado  
Para acabar como acabou

Triste história de vida  
Sofrimento e solidão  
Triste destino traçado  
Que lhe feriu o coração
 
Pedro era casado com Constança
Um casamento com fim traçado
Pois D. Pedro, el-Rei “Cruel”,
Por Inês andava enamorado

Nunca pode ele prever
Que seu pai a mandasse matar
Ali encontrou Inês
Deitada sem respirar

Malditos homens cruéis
Com ganância e frieza aos molhos
Mataram Inês de Castro  
E D. Pedro lhe fechou os olhos

D. Pedro jurou a seu pai
Que nunca se vingaria
Mas depois da sua morte
A promessa não cumpriria

Muito chorou D. Pedro
Tanto sofreu por amor
Assim quis o destino
Destino que lhe trouxe dor 

 

Martim Carvalho, 10º D

08/04/2022

22 de maio de 2022

DESAMORES

 Do Martim Carvalho, 10.ºD, um poema que diria inspirado nas rimas de Camões. 

Rosas,  1871, Henri Fantin-Latour

Não são rosas
Não são flores
Nem são pétalas
São desamores

São espinhos negros
Que picam meu leve peito
Não são aroma cruel
Sobre o qual me deito

Não tem cor
Tem pouca sorte
Não conhece amor
E espera pela morte

Morte que dói
E que acompanha a vida
Quão triste será
Acabar de alma perdida

Tanta dor que acarretas
E que não deixas ir embora
Assim que chegas mais perto
Vemos que já está na hora

Não é paixão nem amor
É só dor e sofrimento
Não é alegria nem sorrisos
É uma espera pelo tempo

Tanto tempo esperamos
Com medo de a morte chegar
Mas a morte é inofensiva
E a mim não me vai assustar

Martim Carvalho, 10º D

(27/04/2022)


25 de abril de 2022

25 de Abril

Steven Jones, pintor inglês contemporâneo

MANHÃ FUTURA

Era preciso agradecer às flores
Terem guardado em si,
Límpida e pura,
Aquela promessa antiga
Duma manhã futura.

SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN

20 de abril de 2022

ALCOBAÇA, A CASA DE INÊS E PEDRO


O mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, monumento fundador do gótico cisterciense em Portugal, começou a ser construído no século XII, depois da vitória de D. Afonso Henriques em Santarém. A igreja da Abadia segue o modelo de Pontigny, em França: uma arquitetura de rigor aplicada à imponente nave central, com mais de cem  metros de comprimento. O deambulatório, por onde os monges caminhavam em oração, é sustentado por arcobotantes, os primeiros em território português. Na ornamentação da Capela de S. Bernardo, os barristas de Alcobaça criaram uma das suas mais expressivas obras, modelando as estátuas em terracota. E depois há as cozinhas e as soluções engenhosas  para levar água a um espaço amplo, com preocupações de higiene.

Nos seis séculos seguintes, o espaço será acrescentado ou remodelado,  de acordo com os novos movimentos arquitetónicos e com a necessidade de cada monarca deixar a sua marca real.

Na história deste mosteiro há também uma vocação para o ensino; no século XVII chega a ser a mais importante escola monástica do reino. Mas já antes eram ali preparados os noviços, e os monges  copiavam manuscritos. 

Neste documentário que vos convidamos a ver, o historiador Rui Rasquilho apresenta-nos o monumento que está ligado ao início da monarquia portuguesa e onde estão guardados os mais belos túmulos da escultura funerária gótica, túmulos onde repousam  os imortais amantes, D. Pedro e D. Inês.

(texto adaptado de https://ensina.rtp.pt/artigo/patrimonio-mundial-portugues-mosteiro-de-alcobaca/)

17 de abril de 2022

EM DOMINGO DE PÁSCOA


                               Vivaldi: Gloria - Gloria in excelsis Deo

10 de abril de 2022

Domingo de Ramos

 Para assinalar o Domingo de Ramos, festa litúrgica do calendário cristão, partilhamos aqui uma das obras mais enigmáticas da coleção de pintura do Museu Nacional de Arte Antiga - um ícone da escola eslava, pintura sobre madeira, provavelmente do século XVIII: “Entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém”.

 


 


7 de abril de 2022

A Família Humana

 Um poema de Maya Angelou, escritora e ativista dos direitos humanos norte-americana, mulher de mil ofícios e vicissitudes, a lembrar-nos a nossa comum humanidade - e que é mais aquilo que nos une do que aquilo que nos separa, meus amigos.

 

Bem vejo as óbvias diferenças
que há na família humana.
Alguns são sérios,
outros florescem no riso.

Alguns declaram que as suas vidas
decorrem em real profundidade,
enquanto outros alegam que vivem
na real realidade.

A variedade dos nossos tons de pele
pode confundir, divertir, deleitar,
castanho e rosa e bege e púrpura
e bronze e azul e branco.

Cruzei os sete mares
e desembarquei em todas as terras.
Vi as maravilhas do mundo,
mas nenhum homem comum.

Conheci centenas de mulheres
chamadas Jane ou Mary Jane,
mas nunca vi duas
que fossem realmente iguais.

Gémeos idênticos são diferentes,
embora as suas características combinem,
e os amantes têm pensamentos bem diversos,
enquanto deitados lado a lado.

Amamos e perdemos na China,
choramos nos pântanos da Inglaterra,
rimos e gememos na Guiné,
prosperamos em terras espanholas.

Buscamos o sucesso na Finlândia,
nascemos e morremos no Maine.
Nos pequenos detalhes somos diferentes,
no que importa – somos iguais.

Noto as diferenças óbvias
entre cada género e tipo,
mas nós somos mais iguais, meus amigos,
do que diferentes.

Somos mais iguais, meus amigos,
do que diferentes.
Somos mais iguais, meus amigos,
do que diferentes.


Maya Angelou (tradução de fonte desconhecida)

 

 

16 de março de 2022

ODE À PAZ

«Eu te conjuro ó paz, eu te invoco ó benigna»

Evocamos as palavras de Natália Correia, que morreu a 16 de março, cumprem-se hoje 29 anos. Evocamos a mulher lúcida e determinada, divulgando este poema cheio de luz e de esperança, como um talismã contra os dias conturbados que vivemos.  

Natália Correia, pintura de Carlos Bottelho

                    Ode à Paz

Pela verdade, pelo riso, pela luz, pela beleza,
Pelas aves que voam no olhar de uma criança,
Pela limpeza do vento, pelos actos de pureza,
Pela alegria, pelo vinho, pela música, pela dança,
Pela branda melodia do rumor dos regatos,
Pelo fulgor do estio, pelo azul do claro dia,
Pelas flores que esmaltam os campos, pelo sossego dos pastos,
Pela exactidão das rosas, pela Sabedoria,
Pelas pérolas que gotejam dos olhos dos amantes,
Pelos prodígios que são verdadeiros nos sonhos,
Pelo amor, pela liberdade, pelas coisas radiantes,
Pelos aromas maduros de suaves outonos,
Pela futura manhã dos grandes transparentes,
Pelas entranhas maternas e fecundas da terra,
Pelas lágrimas das mães a quem nuvens sangrentas
Arrebatam os filhos para a torpeza da guerra,
Eu te conjuro ó paz, eu te invoco ó benigna,
Ó Santa, ó talismã contra a indústria feroz.
Com tuas mãos que abatem as bandeiras da ira,
Com o teu esconjuro da bomba e do algoz,
Abre as portas da História,
                     deixa passar a Vida! 

 

 Natália Correia, Inéditos, 1985/1990




21 de janeiro de 2022

AVENTURA EM COPACABANA

 

Tal como o texto que antes publicámos, também este foi produzido no Clube de Escrita Criativa da nossa escola, e em resposta ao mesmo desafio: imaginar-se turista num determinado país e registar, em dez minutos, uma das suas aventuras mais peculiares. 

 

Ilustração de Lisa Congdon

Tínhamos chegado há 3 dias. A praia de Copacabana estava lotada, como de costume, mas o meu objetivo naquele dia era, sem dúvida, chegar ao Cristo Redentor. Afinal, quem é que tem a coragem de ir ao Rio sem tirar uma fotografia à frente daquela imensidão de arte que é a escultura mais famosa da América do Sul?!

 Enquanto caminhava ao calor ardente em direção àquela obra-prima, vi de tudo e, claro, fotografei tudo o que de bonito vi. Parei no areal, queria tirar uma fotografia à linha do horizonte, estava linda, de onde eu a via, dava vontade de a alcançar e ver os mistérios que esconde. Enquanto preparava o foco da câmara, passa um pássaro lindo, talvez típico da região e, com todo o atrevimento do mundo, tem a audácia de voar para longe com a minha câmara. A câmara que comprei especialmente para esta viagem!

 Corri pela praia, pelas ruas, sinto que corri o Rio de Janeiro inteiro atrás daquela ave rara que me roubou em plena luz do dia. Sempre soube que era um destino de férias perigoso, mas jurava que ia ser uma pessoa a assaltar-me, não um animal em fuga. Fui de encontro a todas as pessoas, acho que a certo ponto até derrubei alguém. Já devo estar nas bocas do Rio como a doida que corre atrás de bichos.

Não conseguia apanhar aquele bicho infernal. De repente, vejo-o a pairar sobre o ombro de uma senhora que, com toda a gentileza, lhe tira a câmara do bico. Como é que alguém é tão gentil com um ladrão? A senhora, com não mais de 50 anos, sorri e eu, com toda a coragem reunida, tento ir falar com ela e explicar-lhe a minha situação.

 Ela ouve, mas sinto que não escuta, só abana a cabeça. Acabo de falar e ela sorri, sinto a esperança de que vou reaver o que me pertence a voltar, mas não, ela vira costas. Ela teve a audácia de me virar as costas! Tentei ir atrás dela, mas perdi-a de vista numa ruela, afinal ela conhece melhor aqueles corredores estreitos que eu.

Agora estou aqui, no avião, sem câmara, sem fotografia no Cristo Redentor, com as pernas doridas de tanto correr. O que trouxe dessa viagem é apenas mais uma história para os meus amigos se rirem de mim. Mas fico avisada, o perigo do Rio de Janeiro são os bichos, não os ladrões ou favelas.

 

Beatriz Bogalho, 12ºD

 



18 de janeiro de 2022

UMA AVENTURA PECULIAR

 

Hoje divulgamos um texto escrito no Clube de Escrita Criativa da nossa escola, em resposta ao desafio: "Imagina-te turista num determinado país e regista uma das tuas aventuras mais peculiares." Aqui vos deixamos a narrativa desta aventura escrita em dez minutos - o tempo disponibilizado para o exercício.

 

Cressida Campbell, 2002

 
Às sete da tarde do dia vinte e três de novembro, enquanto deambulava por uma rua sinuosa na qual havia acabado de chegar  devido a uma falha no meu GPS, fui interrompido por uma senhora, muito franzina e já de cabelos brancos, que falava comigo muito animada no idioma local. Apesar de não conseguir reproduzir nenhuma palavra, já compreendia qualquer coisa de tailandês e por isso percebi que ela tentava vender-me alguma coisa, ou convencer-me a fazer algo. Não me sentia muito seguro, mas ela parecia indefesa, e como começou a puxar-me para dentro da sua loja, pensei “Mal não me há de fazer!” e segui-a. Lá dentro, encontrei um ambiente estranho, decorado com bibelôs asiáticos. De repente, apareceu um homem enorme, e pensei que fosse este o meu fim, no entanto o que aconteceu foi algo inusitado. O homem, que mais parecia um lutador de judo, e que passado algum tempo percebi chamar-se Yan, começou a pentear-me, puxando-me de seguida para uma pia. Quando dei por mim já tinha a cabeça lavada e estava sentado em frente a um espelho sujo, tendo Yan a tentar dialogar comigo num inglês quase impercetível. Devido ao seu sotaque não conseguia perceber o que me dizia, por isso só anui.

Enquanto Yan me cortava o cabelo numa alegria estrondosa, a senhora, que mais tarde conclui ser a sua mãe, aparecia de vez em quando e alimentava-me com coisas maravilhosas e desconhecidas, de sabores que eu nunca havia experimentado. No entanto, como estava completamente distraído, não me apercebi do que o meu “barbeiro” me fazia e assim, quando olhei em frente, vi que não só não tinha mais de metade do cabelo com que ali havia chegado, mas também que o pouco que me restava no topo da cabeça estava espetado numa espécie de crista, com madeixas que tombavam alternadamente para um lado diferente. Apesar do penteado ridículo, a comida era maravilhosa e o ambiente era estranhamente reconfortante e quase familiar, e por isso foi uma bela experiência que até hoje recordo com carinho, tendo em conta que no final só me cobraram o equivalente a três dólares.

Catarina Moreira, 12º D